bolsas
de estudo

A Cultura Artística, instituição cultural privada sem fins lucrativos, promove anualmente o Programa de Bolsas de Estudo, voltado a jovens músicos de 16 a 26 anos que residam no Estado de São Paulo, nas modalidades de Canto e de Instrumento.

O Programa tem o objetivo de impulsionar a carreira de músicos clássicos que busquem a profissionalização na área da performance. São oferecidas aulas particulares com professores consagrados, para aprimoramento técnico e preparação para processos seletivos e concursos nacionais e internacionais, além de acesso gratuito à programação da Cultura Artística, prioridade em masterclasses promovidas pela instituição, cursos de idioma em parceria com a Aliança Francesa, a Cultura Inglesa e o Goethe Institut, passagens aéreas para participar de festivais, concursos e provas das universidades, ajuda de custos para manutenção de instrumentos, atendimento ortopédico e fisioterápico em parceria com o Instituto Vita e acompanhamento de estudos e desenvolvimento.

 

A bolsa tem duração de 1 (um) ano, renovável mediante avaliação anual, até o limite de 2 renovações.

Processo Seletivo | Bolsas de estudo 2020-2021

As inscrições para o processo seletivo de 2020 foram encerradas. Obrigada a todos que participaram!

A comunicação dos selecionados para a segunda etapa será feita na primeira quinzena de abril.

Acesse aqui o regulamento.

Aprovados 1ª fase:

Alan Roberto Sanchez Choque
Alessandra de Oliveira Carvalho
Andressa Daniella Santos
Caio Catão de Albuquerque
Carlos Vogt
Carolina Rodrigues Braga
Graziella Araujo de Souza
Guilherme Marques Caldas
Guilherme Perez
Janaína Lemos
João Pedro Ferraz dos Santos Silva
Jonathan Ventura de Lima
Kaique Iritsu de Araújo
Leonardo Marchiolli Gomes Sobral
Lucas Andrade Lacerda Diniz
Luis Gustavo de Barros Ananias
Paula Karoline de Campos
Pedro Henrique Bayer Valente
Rafael Claudio da Silva Souza
Rafael Esparrell
Rafael Vieira dos Santos
Riverton Vilela Alves
Sandra Vieira Ribeiro
Vívian Meira David

Bolsistas 2019-2020

Albert Andrade

Albert Andrade, canto

O barítono Albert Andrade, 25, é formado em Canto e Arte Lírica pela Universidade de São Paulo, com os professores Francisco Campos e Ricardo Ballestero. Em 2016/17 estudou na Academia de Ópera do Theatro São Pedro, concluindo os cursos de Arte Cênica e Repertório de Ópera e Câmara, sob orientação do maestro André dos Santos e direção de Paulo Esper. Participou de montagens recentes das óperas: A Flauta Mágica (Papagueno, La Bohème (Marcello), L’enfant et les sortilèges (L’horloge comtoise), Romeu e Julieta (Mercutio,), Gianni Schichi (Marco), Rita (Gasparo), Albert Herring (Vicar) e O Empresário (Eisler). Sob a regência de Luiz Fernando Malheiro e Gil Jardim, solou junto a ORTHESP (Árias de Mozart) e OCAM (Requiem de Fauré). Em 2019 venceu o primeiro Concurso de Canto Edmar Ferretti (2° lugar masculino na categoria Ópera), e o Concurso Internacional de Canto Maria Callas (Prêmio Especial Cultura Artística), se tornando bolsista da Cultura Artística. Já participou de masterclasses com Katia Ricciarelli – ITA, Roberto Scandiuzzi – ITA, Patricia Pace – ITA, Gino Quilico – CAN, Marcell Boone – HOL, Gregory Reinhart – EUA, Miah Persson – SUE, Matthew Rose – ING, Lucia Duchonova – ESL, Philippe Amelung – ALE, Susan Ruggiero – EUA, Kismara Pessatti, Nicolau de Figueiredo. Integra também o Coro Acadêmico da Osesp, sob regência de Marcos Thadeu.

Bruno Camargo2

Bruno Carneiro de Camargo, saxofone

Bruno Camargo, 25, é o primeiro brasileiro aprovado e formado pelo Conservatório Nacional da Região de Lyon, França, na classe do professor Jean-Denis Michat. Premiado em inúmeros concursos nacionais e internacionais, dos quais podemos destacar: finalista do concurso Jovens Solista da OSESP, 2019. (Único saxofonista na história a ir para a final); 2° prêmio no Concurso de Música de Câmara do Festival Villa-Lobos, 2019; 5° prêmio no Concurso Internacional de Saxofone Clássico “Dilson Florêncio” realizado em Brasília, 2015.

Atuou como solista frente a Orquestra Sinfônica Conservatório de Tatuí no Festival Internacional de Campos do Jordão e também com a Orquestra Sinfônica do Conservatório de Rouen, França. Participou da Universidade Europeia de Saxofone em Gap, França e realizou turnê pelos EUA com a Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, tocando em importantes salas como o Alice Tully Hall, Nova Iorque, e em Washington no Kenneddy Center. Com a mesma orquestra gravou CD com o Choros 6 de Villa-Lobos. Atualmente é saxofone alto solista da Banda Sinfônica do Exército e bolsista da Cultura Artística, onde recebe aulas do professor Renan Mendes.

EDUARDO GUTTERRES - FOTO2 (crédito LuKronbauer)

Eduardo Lerner Gutterres, violão

Eduardo Gutterres iniciou seus estudos de violão aos 11 anos e ingressou com 17 no curso de Bacharelado em Violão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde estudou com Flávia Domingues Alves e Paulo Inda. Hoje, com 22 anos, é bacharel em violão, com láurea acadêmica. Mudou-se para São Paulo em 2019 para ser aluno regular dos professores Paulo Martelli e Fábio Zanon, após ser um dos ganhadores do Programa de Bolsas de Estudos promovido pela Cultura Artística. Eduardo faz parte do seleto grupo de 12 bolsistas de diversos instrumentos para o período de junho 2019 até maio 2020 e, por meio do patrocínio desta bolsa, tem direito a passagens aéreas e cordas de violão Augustine, entre outros benefícios. O violonista já realizou recitais em salas de concerto do Brasil e Uruguai e em 2020 fez sua estreia nos Estados Unidos, apresentando, em Nova York, um concerto inteiramente dedicado à música brasileira. É o atual vencedor da mais tradicional competição de violão do Brasil, o Concurso de Violão Souza Lima e conquistou o 2º lugar no Concurso de violão de Teresina. Eduardo também foi um dos cinco finalistas do 16º Concurso Internacional de Guitarras de Uruguay, concorrendo com violonistas de diversas nacionalidades. Em 2019, participou do 50⁰ Festival de Inverno de Campos do Jordão (o mais importante festival de música clássica da América Latina) e foi uma das atrações do X Festival Internacional de Música de Campina Grande – PB.

Gabriele Leite

Gabriele Leite, violão

Recém-formada no curso de Bacharelado em Música com Habilitação em Violão, pelo Instituto  Artes da UNESP – São Paulo, é bolsista do programa de bolsas de estudos da Cultura Artística, sendo orientada pelo professor Paulo Martelli. Em 2019 foi semifinalista do concurso internacional de violão de Koblenz e ganhadora do prêmio de: “Melhor Participação Brasileira no 27° Festival Internacional de violão de Koblenz”. Vencedora de diversos concursos de violão no Brasil, se destaca por sua habilidade técnica e versatilidade. No cenário da música de câmara, faz parte do Quarteto Abayomi, quarteto esse que estuda o repertório regional do violão brasileiro, que encerrou as atividades do ano de 2019, gravando algumas músicas do novo álbum que será lançado em 2020 e tocando com a grande artista, conhecida internacionalmente, Badi Assad.

Guido

Guido Sant’Anna, violino

Iniciou seus estudos no violino aos 5 anos de idade, tendo desde jovem aulas com a professora Márcia Uhlemann. Aos 7 anos foi descoberto pelo maestro Júlio Medaglia. O regente passou a levá-lo para os primeiros solos acompanhados de orquestra. Aos 8 anos,  passou a ter aulas com a professora Elisa Fukuda. Alcançou na época notoriedade por ser o primeiro e mais jovem finalista de um programa de calouros de música clássica no Brasil (‘Prelúdio). A partir dali, fez várias apresentações, principalmente com o Maestro João Carlos Martins e Orquestra Bachiana Filarmônica, além de participar de alguns festivais e masterclasses. Como bolsista de escola internacional, Guido pode participar de três edições do Amis Festival (2017 Bruxelas, 2018 Madrid e 2019 Moscou), sempre como spalla do Middle School Orchestra. Mas foi somente após sua participação no Menuhin Competition em 2018 que surgiram muitas oportunidades como solista em orquestras no Brasil e no exterior, além do prêmio de maior revelação da música clássica de 2018, concedido a ele pela revista Concerto. Foi ainda selecionado em 2018 e 2019 para participar do Perlman Music Program, no Summer Music School em Shelter Island – NY.

Atualmente ainda estuda com a professora Elisa Fukuda, é bolsista da Cultura Artística e suas aulas e viagens têm sido também financiadas por um doador estrangeiro anônimo.

Guido recebeu em junho de 2019 o empréstimo de um violino Vincenzo Jorio de 1833 e arco da Caris Foundation, que muito tem contribuído para sua evolução musical.

Guilherme Peres2

Guilherme Peres, violino

Iniciou os estudos na igreja, aos 10 anos de idade, e aos 12 ingressou no Conservatório Municipal Maestro Henrique Castellari, em Salto/SP, onde se formou em 2016. Participou como bolsista de diversos festivais de música em Itu, Gramado, Sesc Pelotas, Festival Internacional de Campos do Jordão, e em 2020, Ilumina Festival. Realizou ainda masterclasses com renomados músicos como Pierre Colombet (Ébène Quatuor), Liza Ferstchman, Luiz Fílip, Linus Roth, Carolin Widmann, Elisabeth Chang, entre outros.

Em novembro de 2019, foi um dos vencedores do Concurso Ernani de Almeida Machado, da Orquestra Jovem do Estado. Atualmente cursa o quarto ano de Bacharelado em Violino na UNESP (Universidade estadual Paulista) na classe do prof. Luiz Amato e é integrante da OJESP (Orquestra Jovem do Estado de São Paulo), além de aluno da professora Elisa Fukuda e bolsista do programa da Cultura Artística desde 2018.

Joachim

Joachim Emidio Ribeiro Silva, percussão

Natural de Ourinhos – SP. Por incentivo da família, aos sete anos começou a fazer aulas de percussão brasileira com Ari Colares, na atual EMESP. Desde então seu interesse por música só aumentou, seja ouvindo, tocando ou compondo. Lá também teve formação em percussão erudita com Alexandre Biondi e Heri Brandino, e paralelamente estudou bateria com André Gonzales. Posteriormente bacharelou-se em Percussão no Instituto de Artes da UNESP, onde teve orientação de Carlos Stasi e Eduardo Gianesella. Atualmente estuda com John Boudler pelo Programa de Bolsa de Estudos da Cultura Artística. Também estuda composição na EMESP com Rodrigo Lima e Tiago Costa. Atualmente integra grupos de diferentes gêneros musicais: Duo Iafelicemidio, Coletivo Capim Novo, Grupo PIAP e Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos.

Jordan2

Jordan Alexander, piano

Jordan já participou de festivais e seminários no país e no exterior, como na Semana Internacional de Piano – Cushing Academy, nos EUA (2015 e 2016), no 17º Masterclass e Festival de Piano Leonel Morales (2014), na Espanha, no Instituto Territorial de Música, na Argentina (2010 e 2012), Encontro Internacional de Pianistas de Piracicaba (2016, 2017 e 2019); XXI, XXII e XXIII Festival de Música Colonial Brasileira, na cidade de Juiz de Fora; Festival Vale do Café, em Vassouras (2012, 2013 e 2014); Festival de Maio, em Belo Horizonte (2013, 2014, 2015, 2016 e 2018), Acampamento Divisional de Música no Rio de Janeiro (2011 e 2013), Seminário de Música, em Ipatinga (2010, 2011, 2012, 2013); no Festival para Pianistas Amadores (2017) e no Encontro Internacional de Pianistas no Vale do Aço (2018 e 2019), ambos em Timóteo.

Participou ainda de masterclasses com renomados professores como Leonel Morales, Arnaldo Cohen, Alexandre Dossin, Margarita Nuller, Luiz Senise, João Paulo Casarotti, Mauricy Martin, Fábio Luz, Clélia Iruzun, Jovanni Rey De Pedro, Luciana Sayure, Alejandro Cremaschi, Alan Huckleberry, entre outros. Também se apresentou na série Segunda Musical (Assembléia Legislativa, BH – 2011, 2014, 2018 e 2019), na Quarta Cultural (UFMG – 2013), no Jovem Músico BDMG (2012, 2015 e 2017) e no Conservatório UFMG – Série Concertos de Outono (2015) entre outros. Atualmente com 17 anos, o jovem pianista já acumula diversos prêmios em seu currículo (67, sendo 51 premiações individuais, 10 premiações a 4 mãos e 6 premiações de música de câmara), com destaque para o Concurso Nacional Villa-Lobos, o Concurso de Piano Edna Bassetti Habith, o Concurso de Piano Souza Lima e o Concurso Latino Americano Rosa Mística.

Em 2014, Jordan foi selecionado para a final do Forte International Music Competititon realizado no Carnegie Hall, em Nova York, recebendo a classificação prata.

Em 2015, Jordan participou de uma competição durante a Semana Internacional de Piano, nos EUA, e como prêmio pelo primeiro lugar ganhou uma bolsa para participar do evento em 2016 e ainda realizar um recital solo. Também em 2015 recebeu o prêmio de Melhor Integração ao Piano no XIII Concurso de Piano Cora Pavan Caparelli, em Uberlândia e em 2016 recebeu o terceiro lugar na competição Piano Talents, realizado em Milão, Itália. Em 2017, conquistou o primeiro lugar em seis importantes competições: XI Concurso de Piano Profª. Edna Bassetti Habith, 2º Concurso de Piano Casa da Música Porto Alegre, I Concurso Internacional de Concerto de Piano de Piracicaba, I Concurso Nacional de Piano da Escola de Música Villa-Lobos, XV Concurso de Piano Cora Pavan Capparelli e no XXVI Concurso de Piano Souza Lima. Também em 2017, apresentou-se com a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (OFMG), na Sala Minas Gerais, sob a regência do maestro Marcos Arakaki. Neste mesmo ano, recebeu outros importantes prêmios tais como o Prêmio Ernst Mahle pela melhor interpretação do Concerto do autor, no I Concurso Internacional de Concerto de Piano de Piracicaba; Melhor Intérprete de Peça de Livre Escolha, no I Concurso Nacional de Piano de Música Villa-Lobos e os prêmios de Melhor Expressividade Musical e de Melhor Intérprete da obra Nina do compositor homenageado, Edino Krieger, no XV Concurso de Piano Cora Pavan Capparelli.

Ainda em 2017 foi bolsista do Concurso Internacional BNDES de Piano estudando com os professores Luciana Sayure em São Paulo e Mauricio Velloso em Belo Horizonte.

Em 2018 recebeu o primeiro lugar na seleção do Segunda Musical de Belo Horizonte e no XXVII Concurso de Piano Souza Lima, o 3º Lugar no 2º Concurso Internacional de Piano “Ciudad de Leganés”, na Espanha e o 3º Lugar no II Concurso Nacional de Piano Yamaha. Foi semifinalista do Programa “Prelúdio” da TV Cultura.

Em 2019 Jordan foi selecionado para integrar o Programa de Bolsas da Cultura Artística.

Atualmente estuda com Lucas Gonçalves e Eduardo Monteiro.

Josué Rodrigues

Josué Rodrigues dos Santos Junior, clarinete

Clarinetista da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, estudou em grandes instituições brasileiras de ensino como a Escola Municipal de Música de São Paulo, Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP Tom Jobim). Também estuou no programa Guri Santa Marcelina sob orientação do professor Marcelo Silvério e através do programa foi selecionado para participar de um intercâmbio na Juilliard School de Nova Iorque.

Em suas experiências em grupos sinfônicos atuou na Orquestra Sinfônica Jovem Municipal de Guarulhos, foi primeiro clarinete da Orquestra Jovem do Theatro São Pedro e spalla da Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo.

Atualmente cursa Bacharelado em Música com habilitação em Clarineta na Universidade Estadual Paulista (UNESP) na classe do professor Sergio Burgani e é aluno de Tiago Naguel através da Bolsa de Estudos da Cultura Artística.

Juan Rogers2

Juan Rogers Soares Rodrigues, violoncelo

Juan Rogers, 20 anos, iniciou os estudos musicais no Instituto Baccarelli na classe do professor Eduardo Bello. Na mesma instituição também teve aulas com o professor Rodrigo Andrade e Rafael Cesário, com quem permanece recebendo orientações. Em 2018 iniciou o bacharelado em Violoncelo na Universidade Estadual Paulista – Unesp. Logo em seguida foi convidado a integrar ao projeto Pianosofia,  idealizado pelo pianista Cristian Budu.

No período no Instituto Baccarelli , integrou a Orquestra Sinfônica Heliópolis em 2017, e, no ano seguinte, passou a atuar como primeiro violoncelo, anos em que também foi finalista do concurso Jovens Solistas da orquestra. Participou ainda de masterclasses com renomados professores, como Dennis Parker, Benedict Klockner, Ophèlie Gaillard, Antônio Meneses e Romain Garioud. Atualmente é bolsista do programa de bolsas da Cultura Artística e violoncelista na Orquestra Jovem do Estado.

Lucas Martins Pedro2

Lucas Martins Pedro, flauta

Nascido em Lins, São Paulo, Lucas Martins Pedro começou a estudar flauta em 2004, no projeto Guri da cidade de Bauru. De 2006 a 2017 foi 1º flautista da Banda Sinfônica Municipal de Bauru, onde, de 2010 a 2012, foi chefe da seção das madeiras. Foi 1º flautista da Orquestra Sinfônica Jovem de Lins de 2015 a 2017. Lucas já participou de festivais de música no Brasil, na Argentina, na Itália, nos Estados Unidos e na Suíça. Tocou para grandes mestres, incluindo: Sir James Galway, Emmanuel Pahud,  Bulent Ecvil, Raffaele Trevisani,Eyal An-Habar, Philip Bernold, Maxence Larrieu, Francesco Loi, Karl Heinz Schultz, Kersten Mccall, Andrea Oliva, dentre outros. Lucas teve o prazer de tocar em concertos conduzidos por maestros como Bruno Mantovani, Roberto Tibiriça, Johannes Schlaefli, Giancarlo Guerrero, Neil Thompson, Alexander Liebreich,Sir James Galway, Pedro Neves, Sian Edwards, João Carlos Martins, Will Sanders, Catherine Larsen-Maguire, entre outro. Foi premiado em 2016 com um bocal da Emanuel Flutes no Galway Flute Festival. Participou das temporadas 2017 e 2018 da Banda sinfônica Paulista como 1° flautista, sob a regência de Mônica Giardini e Roberto Farias. Participou em 2018 do programa avançado do FEMUSC, foi bolsista da 35ª Oficina de Música de Curitiba e foi bolsista integral no 49º e 50º e Festival de Inverno de Campos do Jordão. Participou como artista convidado do 8th Annual Texas Summer Flute Symposium, em Dallas, TX. Tem atuado como músico convidado da OSUSP desde a temporada 2018, e da ORTHESP desde 2019. Lucas foi chefe de naipe da Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo (2018), e da Banda Sinfônica Paulista (2018), 1ª Flauta da Orquestra Jovem Theatro São Pedro(2018). Atualmente é chefe  de naipe das flautas da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, aluno regular na Universidade de São Paulo – USP – sob orientação de Antônio Carlos Carrasqueira e Bolsista da Cultura Artística, sob orientação de Renato Kimachi.

Lucas Thomazinho

Lucas Thomazinho, piano

Premiado com o Finalist Prize no XIX Santander International Piano Competition (Espanha), o pianista paulista Lucas Thomazinho vem desenvolvendo uma trajetória de destaque. Nasceu em 1995 e aos nove anos de idade ganhou o primeiro concurso, vencendo desde então mais de uma dezena de concursos nacionais e internacionais, dentre eles, o 1º lugar no XVIII Santa Cecilia International Competition (Portugal), o 2º lugar e o prêmio do público no I Teresa Carreño International Piano Competition (Miami), premiado também no V Concurso Internacional BNDES de Piano, no Concurso Internacional de Interpretação Pianística da obra do compositor Osvaldo Lacerda e no PIANALE International Academy & Competition (Alemanha).

Já atuou como solista de orquestras como a RTVE Symphony Orchestra, a Sinfônica do Estado de São Paulo, a Filarmônica de Minas Gerais, a Sinfônica de Campinas, a Sinfônica de Porto Alegre, a Experimental de Repertório, dentre outras, trabalhando com maestros como Marin Alsop, Miguel Ángel Gómez Martínez, Dean Whiteside, Marcos Arakaki, Victor Hugo Toro, Evandro Matté. Lucas já se apresentou em diversos recitais no Brasil e no exterior com destaque para seu concerto no encerramento da 2ª edição do festival “The Music World” em Ponta Delgada (Portugal), no Festival Viva Villa promovido pela OSESP e no 49º Festival de Inverno de Campos do Jordão, atuando tanto em recitais solo como em música de câmara, em salas como o Conservatório de Coimbra, Casa da Música (Portugal), Sala São Paulo, Teatro Municipal de São Paulo, Sala Cecilia Meireles, MUBE – Museu Brasileiro de Escultura, MASP – Museu de Arte de São Paulo, Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, Cidade das Artes, Centro Cultural São Paulo, Instituto CPFL Cultura,  Sociedade Brasileira de Eubiose, CMB – Centro de Música Brasileiro, Conservatório de Tatuí, Teatro Castro Mendes, dentre outros. Em 2017 foi lançado seu primeiro CD pelo selo KNS Classical.

Desde o início de seus estudos, Lucas Thomazinho foi bolsista na Fundação Magda Tagliaferro, tendo tido como professores Zilda Candida dos Santos, Armando Fava Filho e Flavio Varani. Em 2019 finalizou o bacharelado na USP – Universidade de São Paulo, onde foi orientado pelo pianista Eduardo Monteiro. Atualmente com uma bolsa de estudos oferecido pela Cultura Artística, cursa o Mestrado no New England Conservatory em Boston com os professores Wha Kyung Byun e Alessio Bax.

Wellington Carlos2

Wellington Carlos Santos Miranda, trombone

Trombonista da Orquestra Sinfônica do Paraná e bacharel em trombone pela Universidade Federal de Minas Gerais, vem ganhando espaço e se destacando no cenário da nova geração do trombone brasileiro. Em 2019 ganhou o primeiro prêmio no II Concurso Internacional de Solistas do Projeto Bone Brasil, sendo que em 2018 foi vencedor no VI Concurso de Jovens Solistas junto à Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, no Concurso de Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Minas Gerais e segundo prêmio no VI Concurso de Jovens Solistas ‘Radegundis Feitosa’ – CCTA – UFPB. Iniciou seus estudos aos 12 anos de idade na banda de música da cidade de Sarzedo – Minas Gerais, no ano de 2008, onde dez anos mais tarde se tornou professor de trombone. Participou de grandes festivais pelo país como o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão em 2019, Festival Internacional SESC de Música de Pelotas nos anos de 2017 e 2019 e Projeto Bone Brasil 2019, entre outros.Atualmente vem se aperfeiçoando no trombone sobre a orientação de Wagner Polistchuk na classe de instrumentistas bolsistas da Academia de Música da OSESP e participa do programa de bolsas da Cultura Artística.
Wellington Carlos usa um trombone da marca Antoine Courtois Paris.

Ramon-Mundin2

Ramon Mundin, tenor

Premiado nos concursos: “Maria Callas” (edições de 2017 e 2020- SP), “Sarzana Opera Festival” – ITA  e agraciado com a Borsa di studio “Fondazione Luciano Pavarotti”na Itália.

Bacharel em canto erudito pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em 2.019, classe do Prof. Dr. Angelo J. Fernandes. Integrou o Coro Contemporâneo de Campinas, Ópera Estúdio da UNICAMP e Cia Minaz. Atualmente, membro do Opera Studio do Theatro Municipal de São Paulo.

Atuou em óperas, recitais e concertos no âmbito nacional e internacional, destacando: Concerto in Piazza di Modena (ITA), Gala Concerto dei Vincitori Del Concorso Spiros Argiris (ITA), Concerto dos Vencedores do Concurso Maria Callas – Theatro São Pedro (BRA), Abertura da temporada da Orquestra Sinfônica da Unicamp, Concerto Tributo aos Tenores- Um Brinde á vida (BRA).

Estudou com grandes nomes do cenário operístico nacional e internacional. Dentre seus professores destacam-se: Eliane Coelho, Gabriel Rhein Schirato, Marcio Gomes, Daniel Gonçalves, Keila Bueno, Rafael Andrade e Paolo Andreolli. Participou de masterclasses internacionais com: Ernesto Palacio, Eiko Senda, Katia Ricciarelli, Fabio Armilliato e Vittorio Grigolo.

Como solista, cantou: Die Schöpfung e Missa in Angustiis – Haydn; Bastien und Bastienne, Die Zauberflöte e Requiem – Mozart; La Scala di Seta- Rossini, L’Elisir D’Amore– G. Donizetti, La Traviata – G.Verdi e Gianni Schicchi- G. Puccini.

Atuou sob regência dos renomados maestros: André Dos Santos, Abel Rocha, Angelo J. Fernandes, Carlos Fiorini, Cinthia Alireti, Marcelo Lehninger,Roberto Minczuck e Gabriel Rhein Schirato. Apresentou-se em espaços como Fortezza di Sarzanello (ITA), Piazza Modena (ITA), Theatro Municipal de São Paulo (BRA), Theatro São Pedro (BRA – São Paulo), Sala São Paulo (BRA), Theatro Pedro II (BRA – Ribeirão Preto – SP), Theatro Municipal de Paulínia (BRA), Teatro Castro Mendes (BRA – Campinas – SP) e Teatro Procópio Ferreira(BRA- Tatuí).

Trabalhou com diversos diretores do cenário operistico, destacando dentre eles: Paulo Ésper, Livia Sabag, Mauricio Veloso, Cleber Papa, Felipe Venâncio, Keila Bueno e Angelo Brandini.

Também se apresentou em diversas cidades do interior paulista e grande São Paulo com o projeto “Ópera Na Escola”, (Bastião e Bastiana), com direção geral de Lívia Sabag e Cleia Mangueira , cênica de Mauricio Veloso e direção musical de Fábio Bezuti, além disso, participou de tourne com a “Cia. de Ópera São Paulo” pelo Vale do Paraiba e grande São Paulo com a ópera La Traviata), nos papeis de Gastone e Giuseppe.